Resenha: Moxie

Livro: Moxie
Autoria: Jennifer Mathieu
Tradução: Ana Guadalupe
Editora: Verus
Rating: [rating=4]
Adicione à sua estante: Skoob | Goodreads

+ Exemplar cedido pela editora para resenha


Sinopse

Vivian Carter está cansada. Cansada da direção da escola, que nunca acha que os jogadores do time de futebol estão errados. Cansada das regras de vestuário machistas, do assédio nos corredores e dos comentários babacas dos caras durante a aula. Mas, acima de tudo, Viv está cansada de sempre seguir as regras.

A mãe de Viv era dura na queda, integrante das Riot Grrrls nos anos 90. Inspirada por essas histórias, Viv pega uma página do passado da mãe e cria um fanzine feminista que distribui anonimamente para as colegas da escola. É só um jeito de desabafar, mas as garotas reagem.

Logo Viv está fazendo amizade com meninas com quem nunca imaginou se relacionar. E então ela percebe que o que começou não é nada menos que uma revolução feminista no colégio.


Capa & Diagramação

Eu já queria ler esse livro bem antes de ler a sinopse. A capa cumpre muito bem o papel de chamar a atenção do leitor pela ilustração, pelas cores e pelo significado que o conjunto causa no possível leitor. O trabalho editorial como um todo segue uma continuidade e fiquei encantada com as ilustrações do miolo (incluí algumas fotos para vocês sentirem um gostinho).

Personagens, Enredo & Impressões gerais

Você pode até discordar mas eu acredito que essa é a melhor época para ser mulher desde que esse planeta é planeta.

O acesso ao empoderamento feminino era escasso e extremamente incompreendido. Hoje em dia só não lê sobre feminismo quem não quer. E lendo mais sobre o assunto em diversas fontes de diversos formatos as concepções equivocadas sobre o tema se dissolvem. É uma trajetória difícil e lenta mas que já rende muitos frutos.

“Me ocorre que ser feminista é isso. Não humanista, igualitarista ou sei lá o quê. Feminista. Não é uma palavra feia. A partir de hoje essa talvez seja minha palavra preferida. Porque na verdade é só isso, meninas que apoiam umas às outras e querem ser tratadas como seres humanos num mundo que sempre encontra um jeito de dizer não.”

Moxie faz parte da rica coleção de materiais que eu tive a oportunidade de fazer uso e que enriqueceu imensamente meu repertório de leituras feministas. Tive a oportunidade de ler/ver várias coisas ultimamente mas Moxie se mostrou como um dos exemplos mais reais e educadores.

O feminismo nesse livro vem permeado de um enredo rico, personagens bem construídos e um cenário muito verossímil. O livro narra as descobertas de uma adolescente em amadurecimento, seu lugar como filha e como mulher na sociedade. “Descobrir” o feminismo é uma coisa, enxergá-lo a sua volta é outra e lutar para combater o patriarcado é oooooutra completamente diferente.

“Continuamos marchando, tropeçando nas ameaças do diretor Wilson e nos avisos dos nossos professores. Marchamos porque essas palavras merecem ser pisoteadas. Atropeladas. Reduzidas a pó. Marchamos de All Star e de chinelinho colorido e até de salto alto. Nossas pernas se movem, nossos braços balançam, nossos lábios formam linhas tão retas e tão afiadas que você precisa tomar cuidado para não se cortar.
Talvez a gente queira que você se corte.”

O desafio enfrentado por Viv é o que deve inspirar o leitor de Moxie. Cada um, do seu jeito, deve se impor, mesmo que em pequenas atitudes, e ajudar mulheres oprimidas, alertar homens opressores e lutar por um mundo mais igualitário. Minha fala foi super clichê mas juro que o livro não é assim. Ele tem uma “pegada” jovem e leve.

O elemento coming of age e a relação de Viv com sua mãe é um ingrediente único nessa história. Indico para todos que gostam de livros jovens sem mimimi, que curtem ler sobre feminismo, empoderamento feminino e gostam de histórias inspiradoras.

Pontos positivos: leitura leve, repleta de empoderamento feminino, traz fatos e situações verossímeis, temática adolescente mas é uma leitura para todas as idades.
Pontos negativos: se você não curte muito essa história de empoderar as mulheres e lutar por uma sociedade igualitária vai detestar essa leitura. Mas se esse é o caso saiba que a luta das feministas é para que as mulheres tenham os mesmos direitos que já foram garantidos a você desde que nasceu. E que elas não detestam homens, tá? ;)

By Evelyn

Viciada em farinha láctea, cartões postais, livros e tenho um amor infinito por animais. Pretendo conhecer toda a Europa em breve e, às vezes, gosto de me aventurar na cozinha.

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *