web analytics
livros

Resenha: Um Amor Perdido

Livro: Um Amor Perdido
Autora: Alyson Richman
Editora: Bertrand Brasil
Rating: [rating=5]
Adicione à sua estante: Skoob | Goodreads

+ Exemplar cedido pela editora para resenha


Sinopse

Separados pela guerra, ligados pela memória: uma história envolvente e instigante no rastro da Segunda Guerra Mundial.

Na Praga do pré-guerra, Lenka, uma jovem estudante de arte, apaixona-se por Josef, um médico recém-formado. Eles vivem cheios de ideais e de sonhos para o futuro, mas também são judeus e muito ligados à família. Casam-se, mas, pouco tempo depois, como tantas outras famílias, são separados pela guerra. As escolhas impostas pelo destino os afastam, mas deixam marcas permanentes: o caos e as informações truncadas dos tempos de guerra os levam a crer que o outro morre.

Na América, Josef torna-se um obstetra bem-sucedido e constrói uma família, apesar de nunca esquecer a mulher que acredita ter morrido. No gueto de Terezín, Lenka sobrevive graças aos seus dotes artísticos e à memória de um marido que julgava nunca voltar a ver. Apesar de todas as provações e dos infortúnios, mantém a chama daquele primeiro amor acesa, guardada em seu coração.

Da glamorosa vida em Praga antes da ocupação aos horrores da Europa nazista, Um Amor Perdido explora o poder do primeiro amor, a resiliência do espírito humano e a eterna capacidade de recordar.


Capa & Diagramação

A capa é bonita e muito compatível com o conteúdo do livro. Traz uma beleza discreta e até poética das separações e da espera que a personagem principal teve que enfrentar.

A versão que eu recebi era uma prova antecipada e ainda não estava finalizada. Porém a diagramação interna já estava bem bonita e limpa.

Personagens, Enredo & Impressões gerais

Durante muito tempo eu evitei ler livros e assistir a filmes sobre o holocausto porque eu sempre sofri demais com todos os absurdos que aconteceram nesse período. Minha própria família tem uma história diretamente ligada às atrocidades da época.

Eu tirei uma semaninha de férias em abril e acabei lendo três livros sobre o assunto. Percebi que estou num momento mais receptivo e mais maduro para lidar com esse tipo de informação. Ainda sofro com tudo que chega ao meu conhecimento mas consigo desfrutar de uma obra sem deixar que o sentimento a sufoque.

Acabei lendo Maus (que não achei lá essas coisas!), A Guerra que Salvou a Minha Vida (que é bem levinho e não tem tanto enfoque no holocausto) e Um Amor Perdido.

A leitura de Um Amor Perdido passou voando por mim! A escrita é muito fluida e gostosa e os capítulos alternados entre presente e passado, Lenka e Josef atiçam a curiosidade do leitor.

Confesso que senti uma certa raiva do Josef algumas vezes. Mas consigo enxergar o razão de suas ações já que ele era jovem e nem ele, nem ninguém tinha noção das proporções que toda aquela discriminação aos judeus iria atingir.

“Dormi, dormi e dormi, como se estivesse deslizando para minha própria morte. Não tive sonhos. Tudo era negro. Não havia imagens, memórias ou pensamentos sobre o futuro. Quando você sonha com o escuro, está praticamente morto.”

Em compensação, Lenka é uma personagem admirável, uma mulher forte que ama a família, está disposta a lutar pela dignidade de seu povo e que faz escolhas muito sábias apesar da jovem idade. Que mulher! O livro visa em destacar o jovem casal igualmente mas, para mim,o enredo só é brilhante pela construção maravilhosa da personagem de Lenka. Apesar de ser um enredo rico, o livro é realmente bom pois ela é uma personagem admirável!

Apesar de ser uma história romantizada é uma ótima oportunidade de saber mais sobre como funcionava o interior de alguns dos campos de concentração. O livro ressalta como os campos de concentração eram diferentes uns dos outros já que tinham funções diferentes. O campo de Lenka, por exemplo, era o tipo de campo modelo e quando recebiam visitas de autoridades todas as condições absurdas de vida eram mascaradas.

Estou cada vez mais interessada em ler romances que tragam fatos históricos, afinal eu posso me divertir e aprender um pouco de história ao mesmo tempo, né?

Quais são seus romances históricos preferidos? Aceito indicações!

Pontos positivos: leitura fluida e informativa repleta de fatos que realmente aconteceram nos campos de concentração.
Pontos negativos: o livro não é muito sangrento mas quem não gosta da violência e do sofrimento causados pelo holocausto por não gostar muita dessa leitura.

Gosto de cartões postais, livros e tenho um amor infinito por animais. Pretendo conhecer toda a Europa em breve e, às vezes, gosto de me aventurar na cozinha.

One Comment

  • Ana BarrosNo Gravatar

    Esse livro parece ser bem triste e bonito ao mesmo tempo. Eu também não consigo ler livros ou assistir filmes sobre o holocausto porque fico mal de verdade. Mas esse livro parece ser bem fluído e interessante. A Praga de antigamente deveria ser maravilhosa né?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *