Resenha: Entre as Estrelas

Livro: Entre as Estrelas
Autora: Katie Khan
Editora: Bertrand Brasil
Rating: [rating=4]
Adicione à sua estante: Skoob | Goodreads

+ Exemplar cedido pela editora para resenha


Sinopse

Um romance futurista surpreendente sobre o impacto do primeiro amor e como nossas escolhas podem mudar o destino de todos ao nosso redor. Perfeito para os fãs Um Dia e Gravidade.

Num futuro não muito distante, após a aniquilação dos Estados Unidos e do Oriente Médio, a Europa nada mais é que uma utopia na qual, a cada três anos, a população se muda para uma nova comunidade multicultural.

Em um desses paraísos, Max conhece Carys, e é amor à primeira vista. Ele logo percebe que Carys é a pessoa com quem deseja passar o resto da vida – uma decisão impossível nesse novo mundo.

Conforme o relacionamento dos dois se desenvolve, a conexão entre o tempo deles na Terra e o dilema atual no espaço vai sendo revelado. À deriva entre as estrelas, com apenas noventa minutos de oxigênio, eles concluem que só um deles tem a chance de sobreviver. Mas quem?


Capa & Diagramação

Acertaram muito no projeto gráfico desse livro! Aprovei tudo! Cores, fontes, ilustrações e alinhamentos. O diagramação do miolo é bem normalzinha, com muita áreas de respiro e papel poroso.

Personagens, Enredo & Impressões gerais

Entre as Estrelas conta a trajetória de Max e Cary que é contada com capítulos alternados entre o presente e o passado. No presente os dois estão em queda livre no espaço, com noventa minutos de oxigênio e poucas chances de sobreviver. A história de como eles acabaram nessa situação vai sendo contado ao longo do livro.

Eu até agora não decidi se esse esquema de intercalar capítulos do passado com capítulos do presente é uma boa. Acho que na maior parte agrega muito para o ritmo da história e, geralmente, a gente passa as páginas muito mais rápido para tentar suprir a curiosidade rápido. No caso desse livro eu achei que, algumas vezes, os capítulos do presente encheram um pouco de linguiça. Foi legal porque mostra a luta incansável deles para tentar achar soluções para sobreviver. Acho que eu não curti muito porque focava justamente na parte do enredo que não me atrai muito, esse lance de estar no espaço (acho chato!).

No universo de Entre as Estrelas a Terra foi devastada por uma guerra entre os Estados Unidos e os Países Árabes, o que levou a União Europeia (chamada de Europia no livro) a fechar suas fronteiras, criando novas regras e uma nova política de funcionamento da sociedade. Tudo que não era Europia ficou na miséria e somente a Europia conseguiu se reconstruir.

“Todo mundo morre um dia, e essa ameaça faz a vida valer a pena.”

Mas para viver na Europia os cidadãos têm que seguir certas regras. Os países são chamados de Voivodas e são numerados. Cada pessoa só pode residir em cada Voivoda por 3 anos. As novas regras são focadas no individualismo, sem raízes, sem laços familiares ou amorosos. Os namoros e casamentos só são permitidos na idade madura (depois dos 30 se não me engano). A nova ordem defende que vivendo assim o cidadão conhecerá várias culturas, não terá preconceitos nem laços que foram a origem dos conflitos anteriores.

Max vive super bem com as regras e até é descendente de uma das famílias que criou a nova ordem. Cary, por outro lado, sente falta da família e de laços mais estreitos com as pessoas. Quando eles se encontram e se envolvem, têm que aprender a lidar com tudo isso e um com o outro.

O que eu achei mega fantástico nesse livro é que ele planta uma sementinha pra gente pensar em como são as relações amorosas hoje e qual será o modelo de relação no futuro (talvez bem próximo até!). Essa sementinha gera outros ramos de questionamentos sobre conhecer e aceitar outras culturas diminuiria os conflitos do mundo?

Esse livro demorou a engatar pra mim. Eu não sou muito da temática sci-fi mas acho que existem histórias muito boas contadas nessa temática. Eu amei o que a autora escolheu fazer com o final. Foi lindo, poético e inesperado. É um romance de encher o coração, para os amantes de sci-fi ou não.

Pontos positivos: dinâmico, inspirador e de rápida leitura.
Pontos negativos: os capítulos alternados entre passado e presente quebram o ritmo e ajudam a leitura a fluir ao mesmo tempo. Epa! Isso nem é um defeito!

By Evelyn

Viciada em farinha láctea, cartões postais, livros e tenho um amor infinito por animais. Pretendo conhecer toda a Europa em breve e, às vezes, gosto de me aventurar na cozinha.

5 comments

  1. Oi Evelyn, acho que eu iria curtir mais os capítulos na “Terra” também ~ mas só lendo para saber com certeza, né? Achei a capa uma graça, bem delicada. Um beijo! :*

  2. Meu deus, quantas fotos lindas! Eu tô apaixonada demais! <3
    Fiquei bem curiosa para ler o livro, porque gosto quando tem essa pitada de crítica social misturada com romance. Ando lendo mais sobre isso, se você tiver interesse, é uma boa pesquisar a teoria dos romances líquidos do sociólogo Bauman. Fala justamente sobre as relações modernas, a rapidez e a "liquidez" de todas elas.

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *