web analytics
livros

Resenha: Onze Leis a Cumprir na Hora de Seduzir

Livro: Onze Leis a Cumprir na Hora de Seduzir
Autora: Sarah MacLean
Editora: Arqueiro
Rating: [rating=4]

Adicione à sua estante: Skoob | Goodreads

+ Exemplar cedido pela editora para resenha


Sinopse

Juliana Fiori é uma jovem ousada e impulsiva, que fala o que pensa, não faz a menor questão de ter a aprovação dos outros e, se necessário, é capaz de desferir um soco com notável precisão. Sozinha após a morte do pai, ela precisa deixar a Itália para viver com seus meios-irmãos na Inglaterra.

Ao desembarcar no novo país, sua natureza escandalosa e sua beleza estonteante fazem dela o tema favorito das fofocas da aristocracia. Pelo bem de sua recém-descoberta família britânica, Juliana se esforça para domar seu temperamento e evitar qualquer deslize que comprometa o clã. Até conhecer Simon Pearson, o magnífico duque de Leighton.

O poderoso nobre não admite nenhum tipo de escândalo e defende o título e a reputação da família com unhas e dentes. Sua arrogância acaba despertando em Juliana uma irresistível vontade de desafiá-lo e ela decide provar a ele que qualquer um – até mesmo um duque aparentemente imperturbável – pode ser levado a desobedecer as regras sociais em nome da paixão.


Capa & Diagramação

Eu não via graça nenhuma nessas capas mas agora que a série está crescendo estou começando a achar a unidade estética bem bonita. A diagramação interna é simples e elegante como os outros.

Personagens, Enredo & Impressões gerais

Eu entendo o sucesso que a Sarah MacLean faz no mundo da literatura. Seus livros são leves e não exigem muito dos leitores. Acho que o uso de estruturas de enredo parecidas adicionado ao repertório de clichês agrada ao público que foge literatura mais pesada. Eu, por vezes, me incluo nesse grupo também. Adoro intercalar outros gêneros com os romances de época.

Sinto que nesse momento, após ter lido Julia Quinn, Loretta Chase, Mary Balogh e Elizabeth Hoyt posso falar de forma um pouco melhor sobre o que eu realmente acho dos livros da Sarah. Tenho uma relação um pouco frustrante com os livros dela. Eu sempre espero muito mais do que eles entregam. Eu enxergo um potencial imenso nos enredos e penso que a autora escolhe por explorá-los minimamente.

Falando assim parece até que eu detestei o livro. Longe disso! Enquanto eu leio eu me divirto! Principalmente se eu escolho fazer a leitura entre livros especialmente pesados. Os romances épicos vêm como uma brisa fresca dentre a violência e as tramas fantásticas.

Eu gosto dos diálogos rápidos e inteligentes que, na minha opinião, não são habilidades muito comuns. Tanto a Juliana Fiori e a Isabel Townsend (do livro anterior da série) têm a língua afiadas e são personagens fortes e divertidas. Os ‘galãs’ não chegam nem aos pés de Mr. Darcy (referêncial mor dos livros da categoria) e, por isso, na minha opinião, a trama e as personagens principais roubam a cena nos livros da Sarah.

O que eu adoro nessas séries é que caso o leitor não queira ler todos ou não seguir a ordem de lançamento ele poderá usufruir dos livros normalmente. Esse é o terceiro livro da série ‘Os Números do Amor’. Eu já li o segundo ‘Dez formas de fazer um coração se derreter‘ e o primeiro que se chama ‘Nove regras a ignorar antes de se apaixonar’ ainda não passou aqui pela minha estante.

“Em nome de algo maior que do que a tradição, mais ousado do que a reputação, mais importante do que um título tolo.”

Uma coisa que eu adorei nesse romance é a dinâmica que envolve sempre a reputação dos personagens. Esse tema é uma constante nos romances épicos mas aparece de forma mais intensa nesse livro. A pitada de escandalosa cultura italiana contrastando com discrição elegante da cultura inglesa geraram situações e conflitos muito interessantes.

Se você já leu algum livro da Sarah MacLean ou autoras similares vai gostar desse livro que não foge muito da fórmula que já deu certo. Altamente recomendado para esfriar a cabeça e se divertir.

Pontos positivos: escolha certa caso você goste dos livros do gênero.
Pontos negativos: é um romance bem clichê que carece de alguns elementos que o diferencie de outros.

Gosto de cartões postais, livros e tenho um amor infinito por animais. Pretendo conhecer toda a Europa em breve e, às vezes, gosto de me aventurar na cozinha.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *