web analytics
livros

Resenha: Ligeiramente Perigosos

Livro: Ligeiramente Perigosos
Autora: Mary Balogh
Editora: Arqueiro
Rating: [rating=3]

Adicione à sua estante: Skoob | Goodreads

+ Exemplar cedido pela editora para resenha


Sinopse

Aos 35 anos, Wulfric Bedwyn, o recluso e frio duque de Bewcastle, está ávido por encontrar uma nova amante. Quando chega a Londres, os boatos que correm são os de que ele é tão reservado que nem a maior beldade seria capaz de capturar sua atenção.

Durante o evento social mais badalado da temporada, uma dama desperta seu interesse: a única que não tinha essa intenção. Christine é impulsiva, independente e altiva – uma mulher totalmente inadequada para se tornar a companheira de um duque. Ao mesmo tempo, é linda e muito, muito atraente.

Mas ela rejeita os galanteios de todos os pretendentes, pois ainda sofre para superar as circunstâncias pavorosas da perda do marido. No entanto, quando o lobo solitário do clã Bedwyn jura seduzi-la, alguma coisa estranha e maravilhosa acontece. Enquanto a atração dela pelo sisudo duque começa a se revelar irresistível, Wulfric descobre que, ao contrário do que sempre pensou, pode ser capaz de deixar o coração ditar o rumo de sua vida.

Em Ligeiramente Perigosos, o sexto e último livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh conclui a saga desta encantadora família em uma trama repleta de cenas sensuais, tiradas espirituosas e personagens à frente de seu tempo. Ao unir um homem e uma mulher tão diferentes, ela mostra que o resultado só poderia ser um par perfeito


Capa & Diagramação

A capa é, na minha opinião, a mais bonita da série! Eu geralmente nem gosto quando mostram rostos nas fotos de capa mas nesse caso achei linda! O resto segue o padrão do resto da série com diagramação limpa e simples.

Personagens, Enredo & Impressões gerais

Eu e os romances de época temos uma relação bem esquisita. Eu vejo as capas, leio as sinopses e acabo depositando altas expectativas. Mas durante a leitura poucos romances realmente me cativam ou trazem alguma coisa diferente. Eu já li alguns livros dessa série escrita pela Mary Balogh mas até hoje meu romance de época favorito foi o único que eu li escrito pela Loretta Chase, o clássico e super amado, O Príncipe dos Canalhas. Esse sim tinha um ar divertido, diálogos rápidos e inteligentes.

De qualquer maneira depositei minhas esperanças de novo em Ligeiramente Perigosos pois mais uma vez a capa e a sinopse me chamaram atenção. A leitura foi tão leve e interessante como os livros anteriores (que eu li) da série. Mas não sinto que tenha trazido nada novo. Senti que eu estava lendo mais do mesmo.

Acho um desperdício que as autoras se apeguem a uma fórmula específica e deixem de explorar outras possibilidades. As mocinhas sempre têm os mesmos traços de personalidade e os “galãs” são sempre ricos, poderosos, rudes e grosseiros. A escrita é boa, a qualidade e o talento das autoras é notável mas por razões que todos conhecemos ($$$) escolhem repetir a mesma fórmula. É difícil condenar, né? Talvez eu faria a mesma coisa no lugar delas (ainda mais com a pressão das editoras).

“A Sra. Derrick espalhava luz, apesar das sombras que ele vira nela de relance.”

Eu acabo me divertindo durante essas leituras mas não consigo calar a vozinha dentro de mim me incitando a usar o meu tempo para ler alguma coisa que traga novidade e que me agregue algo interessante.

Essa resenha saiu mais como uma reflexão de sobre as escolhas de leituras que fazemos, como usamos nosso tempo, o mercado editorial e gosto literário. Se você gostou dos outros livros da série Os Bedwyns COM CERTEZA vai gostar desse. Acho que acabaram guardando o melhor para o final ou, talvez, a autora tenha se aperfeiçoado com o tempo. Os personagens são “ligeiramente” mais interessantes (segura esse trocadilho!) e o enredo corre mais naturalmente. Mas esteja avisado, é tudo bem parecido com tudo que você já leu de romances de época!

Pontos positivos: leitura rápida e leve.
Pontos negativos: bem parecido com todos os outros volumes das série.

Gosto de cartões postais, livros e tenho um amor infinito por animais. Pretendo conhecer toda a Europa em breve e, às vezes, gosto de me aventurar na cozinha.

2 Comments

  • Camila FariaNo Gravatar

    Ai Evelyn, essa é exatamente a minha implicância com romances de época. Desânimo TOTAL quando a gente percebe que a trama vai ter aqueles mesmos elementos de SEMPRE. Eu fico imaginando que até para o autor deve ser sacal, ficar reproduzindo a mesma fórmula edição a edição… :/

    Beijo, beijo!

    • EvelynNo Gravatar

      Eu super acho que o autor tem muito talento e deve querer dar uma mudada, inserir coisas novas mas o mercado sempre vai apostar no que já está dando certo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *