web analytics
livros

Resenha: Fragmentados

Resenha: Fragmentados

Livro: Fragmentados
Autor: Neal Shusterman
Editora: Novo Conceito
Rating: [rating=5]
Skoob
Goodreads


Sinopse
Em uma sociedade em que os jovens rejeitados são destinados a terem seus corpos reduzidos a pedaços, três fugitivos lutam contra o sistema que os fragmentaria .

Unidos pelo acaso e pelo desespero, esses improváveis companheiros fazem uma alucinante viagem pelo país, conscientes de que suas vidas estão em jogo. Se conseguirem sobreviver até completarem 18 anos, estarão salvos. No entanto, quando cada parte de seus corpos desde as mãos até o coração é caçada por um mundo ensandecido, 18 anos parece muito, muito longe.

O vencedor do Boston Globe-Horn Book Award, Neal Shusterman, desafia as ideias dos leitores sobre a vida: não apenas sobre onde ela começa e termina, mas sobre o que realmente significa estar vivo.


Capa & Diagramação

A capa definitivamente não faz jus ao livro! Não gosto de nada da capa mas entendo que a Novo Conceito optou por manter a capa original. O trabalho gráfico no interior é bonito e simples.

Resenha: Fragmentados

Personagens, Enredo & Impressões gerais

O que eu tenho a dizer é uau! Esse tal de Neal Shusterman me surpreendeu bonito! Acho que o fato de eu só ter ouvido falar bem à respeito desse livro mas nunca muito especificamente o que me ajudou a não criar tantas expectativas assim. Se ainda der tempo de você pegar qualquer livro na maratona essa é uma boa opção! A leitura é bem rápida e quando você percebe já leu bem mais do que esperava!

Cada capítulo é alternado por personagens diferentes o que confere uma dinâmica muito positiva à história. Para mim, apesar de ótimas construções de personagens, enredo de tirar o fôlego, intrigas, reviravoltas e surpresas, o ponto alto do livro é o ritmo. É neste quesito que o autor arremata sua excelência equilibrando de forma perfeita cenas fortes, estratégias dos personagens, construção da trama e etc.

Resenha: Fragmentados

A escrita do Neal Shusterman é espetacular e conseguiu com que eu sentisse todas as sensações que ele (eu acredito), almejava provocar no leitor. Senti agonia, indignação, alívio, esperança e muita perturbação em algumas partes. Durante uma passagem do livro achei que eu fosse colocar tudo pra fora hehehe!

“… se cada parte de você está viva, mas dentro de outra pessoa… você está vivo ou morto?”

A construção dos personagens é tão boa que gostei até dos personagens maus hehehe! Neal utilizou um recurso muito útil em cativar os leitores que é aquele esquema de que nem todo mundo é sempre mau e, claro, nem todo mundo é sempre do bem. Isso acaba fazendo com que achemos os personagens mais reais já que nos identificamos mais com eles. Até porque, quando as ações destes são bem fundamentadas e a gente entende porque cada um agiu da maneira que agiu é impossível não ser cativado.

Resenha: Fragmentados

Nas distopias que eu já li o governo impõe regras à sociedade mas no caso de Fragmentados, a sociedade compactua com as decisões cruéis do governo.

É fácil fazer uma analogia entre o enredo do livro e o comportamento da sociedade hoje. Talvez seja forçar muito a barra mas é impossível não pensar que a “Lei da Vida” surgiu de uma sociedade que vê tudo como descartável e que torna TUDO, inclusive a vida de um ser humano, comercializável. Dinheiro é o que move o mundo e, infelizmente, sabemos que às vezes o bom senso é totalmente ignorado quando se trata de tirar vantagens nesse quesito. Por mais absurdo que seja, eu consigo sim, enxergar uma crítica e uma analogia da sociedade atual.

Adorei o trio principal (e antes que vocês perguntem já digo que não tem triângulo amoroso!) apesar de ter um pé atrás com o Lev. Vou ser super vaga nesse aspecto porque não dá para falar nada sem dar spoiler! Só te digo que o final é super corajoso e surpreendente!

Resenha: Fragmentados

Você vai gostar se: gosta de distopias, aventura e vários pontos de vista.
Não leia se não gosta de: perseguições, reviravoltas e livros com pouco romance.
Ideias centrais: “doação” de órgãos, fugitivos e distopia.

Gosto de cartões postais, livros e tenho um amor infinito por animais. Pretendo conhecer toda a Europa em breve e, às vezes, gosto de me aventurar na cozinha.

One Comment

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *